morrer poema e morar
noutro lado da curva
onde as regas avançam
e as coisas quentes
ficam ainda mais rentes
ao meio-dia
querer quase fundo
de morar no ar
demorar
orar
noutro lado do corpo
onde o sol se põe
prenhe de sons e uma luz
bem à frente dos olhos
sempre dentro deles
sempre dentro
me adentra
nua

Priscila Rôde

Anúncios

Um comentário em “

Obrigada!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s