Últimos azuis

Esperar que alguma coisa aconteça, enquanto outra se recupera, do outro lado da chuva. Estranho. Esperar por um corpo que revele a sua substância. Desesperar-se pela distensão de um segundo que relaxou no tempo. Esperar por um amor que desobstrua esse fluxo e explique teu significado. Estranho. Esperar por uma manhã de sol comestível − iluminar-se com o estômago cheio. Abrigar-se sobre o teto sem cor, enquanto o céu acende teus últimos azuis e goteja, cai, vai-se sutil e docemente. À noite despenco para dentro dos olhos. Metade de mim fica entre o meu silêncio e o barulho da tua cama. Reclamo por inteiros, no entanto, tudo continua disforme. Te amar é um desperdício. Estranho. Espero que do inevitável ninguém jamais me desperte. Dói. Depois transcendo.

Priscila Rôde

Anúncios

Um comentário em “Últimos azuis

  1. Poeta, tuas águas trazem cura, transformação. Sempre que venho aqui me banhar, transcendo. Saio outro, leve e intenso. Misterioso e simples, pequeno, do tamanho do sentimento que me envolve. Suas palavras são mantras, bençãos, pequenos milagres cotidianos. Bendito seja o teu verbo, o teu verso, tua lira, a tua conjugação.

    Um beijo com carinho.

    Curtir

Obrigada!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s