Intransferível

(quem diria?)

aquela ida não rendia.
foi de um abraço
preguiçoso e indomável.

aninhada ao calor sutil
das memórias pungentes
não consegui desatar
qualquer afeto
no peito do asfalto.

fiquei com pena
daquela estrada caída
no meu corpo de texto.
sorri mil vírgulas.
sorri mil lágrimas.
engoli prantos.

e até hoje ele não sabe
que foi o adeus daquela tarde
que consertou a minha sensibilidade.

(ninguém diria.)

Priscila Rôde

 

Poema publicado no livro “Para que fiques” (2012), Pág 86. Editora Penalux.  Para garantir  o seu envie um e-mail para:  contato@priscilarode.com ou acesse a loja da Editora.

Anúncios

About the Author

Posted by

Priscila Rôde nasceu em Salvador/BA em 02 de maio de 1991. Escreve no blog Mar íntimo (priscilarodec.wordpress.com). É Autora do livro “Para que fiques”, publicado pela Editora Penalux em 2012. Tem poemas publicados na revista Mallamargens, Samizdat, revista Capitolina Cutural, revista Cultural Novitas nº 11, LiteraturaBr, Jornal Relevo e algumas revistas digitais. Participou do E-book de frases "Apenas o necessário 2" (Editora Novitas) e da organização da antologia “Crônicas de um amor crônico”, publicada pela Editora Penalux/2015.

Categorias:

Poemas

Add a Response

Your name, email address, and comment are required. We will not publish your email.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

The following HTML tags can be used in the comment field: <a href="" title="" rel=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <pre> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

%d blogueiros gostam disto: